Hoje finalmente viramos o casco do GP28. 7:30h e já estava um caminhão Munck da Locast na porta do galpão, e a carreta de encalhe num guincho-plataforma da Acácio (a carreta foi fabricada na fábrica da Acácio dentro do presídio de segurança máxima de São Pedro de Alcântara, por presos da unidade). O processo todo levou cerca de 2 horas. O barco foi arrastado para fora na mão, com ajuda dos vizinhos, e depois içado e tombado sobre pneus. Depois foi içado novamente e colocado sobre a carreta de encalhe.

É um momento especial e muito tenso, é o prmeiro teste da estrutura do casco. Mas correu tudo bem. Tivemos muito apoio, desde o pessoal contratado, da Acácio e da Locast, cuja dedicação ao projeto foi muito além da obrigação profissional, até os nossos vizinhos de porta, trabalhadores das empresas próximas, que acompanharam a virada e ajudaram sempre que precisávamos de uma força. Mais uma história nas várias histórias em torno da construção de um barco de madeira.