Resina Epóxi: dicas de uso na construção Stitch-and-Glue

O método “costure-e-cole” de construção de barcos não seria possível sem a resina epóxi. São as incríveis características de colagem, preenchimento e de resistência mecânica que permitem fazer barcos de madeira praticamente sem pregos e parafusos, eliminando as tradicionais peças estruturais como cavernas, longarinas, vaus, entre outras. Além disso, a resina epóxi sela a madeira completamente, dispensando calafetagem, e mantendo a madeira seca por dentro, o que impacta positivamente a resistência e a durabilidade.

A resina epóxi é usada em todo o processo de construção, de várias formas e com várias técnicas diferentes:

  1. filetes: os filetes fazem a primeira colagem entre as peças do casco, e tem também a função de oferecer a fibra de vidro uma superfície curva de transição suave entre os ângulos das chapas do casco. A fibra de vidro não pode ser dobrada, precisa ser curvada suavemente e o filete cumpre esta função.
  2. colagem com fitas de fibra: tiras de tecido biaxial são coladas sobre os filetes, para dar resistência à junção. Na verdade, quando feita corretamente, a junção de fibra-epóxi émais forte do que o compensado adjacente.
  3. colagem entre peças: a resina epóxi é usada largamente para colar peças de madeira bruta sobre o compensado (peças de mobiliário, longarinas, trincaniz, peças do mastro, etc).
  4. selar a madeira: todo o compensado e toda a madeira bruta devem ser isolados da atmosfera e da água com resina epóxi, que é aplicada sobre todo o barco, por dentro e por fora.
  5. massar o casco: por fora, o casco deve ser pintado. Para nivelar a superfície e obter melhor acabamento, o que contribui não só para a estética como reduz a resistência hidrodinâmica, usa-se resina misturada a cargas específicas.

A resina utilizada em todas estas aplicações é a mesma. Recebe, entretanto, alguns aditivos que lhe conferem propriedades específicas:

  1. resina de colagem: em geral mais viscosa que a resina para laminação, a qual é adicionado aerosil, um agente tixotrópico (não deixa a resina escorrer)
  2. resina de laminação: resina epóxi fluida, para penetrar no meio das fibras do tecido e da manta, promovendo a correta saturação dos mesmos.
  3. massa de aparelhar: massa composta por resina epóxi e microesfera de vidro ôca, que deixa a resina massa fácil de lixar.
  4. massa de filetar: resina epóxi misturada a pó de serra fino (serragem muiot fina, peneirada), como material de preenchimento. A massa feita desta forma é muito resistente e tem boa tixotropia.

Quem participar do curso de construção de barcos vai ter a oportunidade de experimentar na prática estas técnicas e materiais. Por isso não deixe para amanhã, faça sua inscrição hoje!

Apoio:logo-redelease

post similares
  • Começa a construção do GP-2... Recentemente escrevi um artigo no meu blog sobre o GP-28, uma lancha de uso geral para navegação em mar aberto. O projeto tem despertado algum interesse, e recentemente, Ricardo Lancelotti (do Estaleiro Oficina), entrou em contato comigo porque um amigo seu, Toni, queria construir um. Uma de suas dúvidas era sobre quem seria capaz de [...]
  • Curso de Construção de Barc... O curso de construção de barcos em stitch-and-glue chega ao Rio de Janeiro. Dos  dias 28 a 30 de julho teremos um curso em Niterói, e com novidades. Embora o programa seja similar ao dos outros cursos realizados, neste vamos construir um barco diferente, e os participantes receberão uma cópia do projeto! Um barco novo, [...]
  • Pequeno Príncipe 135 –... Uma das dúvidas de quem quer construir um veleiro é sobre mastros e ferragens. Uma “regra” divulgada sobre a construção artesanal é que as ferragens são metade do custo do barco. Isso seria verdade no caso de um veleiro convencional com mastro de alumínio de seção especial para mastros, com o trilho da vela, e [...]
  • Veleiro clássico: Projeto 8... Quem acompanha o site sabe que publiquei a alguns meses artigos sobre um projeto de veleiro inspirado nos clássicos dos anos 40,50, que deveria ser um barco pequeno, relativamente barato, veloz e marinheiro. Bom, por sugestão de algumas pessoas que entraram em contato comigo, resolvi colocar um teto no custo total do barco, e estabelecer [...]
  • Curso de São Paulo – ... O Curso de Construção de Barcos em São Paulo, que aconteceu num galpão da Vila Anhanguera, neste fim de semana (25 e 26 de março), foi um evento memorável, com uma turma diversificada e muito dedicada. Durante o curso, os participantes construíram um pequeno bote de apoio, praticando todas as etapas da construção de um [...]

Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta