Resina epóxi na construção Stitch-and-glue

Neste artigo vou apresentar os dois tipos principais de resinas usadas na construção de barcos Stitch-and-Glue, e como prepará-las e usar cargas e aditivos. Para os fins deste artigo, vou me basear na linha de produtos da Redelease, que apóia nossa iniciativa de cursos, para que vocês tenham uma idéia de como as resinas são utilizadas.

Introdução: resinas e endurecedores

As resinas epoxídicas são termofixos produzidos a partir da reação química entre dois componentes, a resina propriamente dita e um endurecedor, em proporções específicas para cada combinação e fabricante. Os endurecedores definem viscosidade da mistura, tempo de cura, resistência mecânica, tixotropia, etc. Em nosso caso, vamos usar a resina  2004 em todas as aplicações abaixo. Os endurecedores vão ser específicos para cada aplicação, e teremos cargas para adicionar certas propriedades.

Filetagem

A filetagem é uma das primeiras etapas. Consiste em produzir uma área de transição curva entre dois planos do casco, para acomodar a fita de fibra. A resina utilizada é a resina  2004, e o endurecedor é o SQ 3140. Esta combinação também é usada para colagem entre peças de madeira (por exemplo, quilhas e verdugo). A proporção é de 1:1 (uma parte de resina para uma de endurecedor). Após misturar os dois componentes, adiciona-se pó de serra (serragem fina, peneirada) até ter consistência de creme de avelã. A aplicação é feita com espátula de plástico. Após a cura, pode-se lixar para melhorar o acabamento superficial e o assentamento da fibra.

fibrando a parte externa

aplicando fita de fibra de vidro na parte externa do casco – foto Luiz Couto

Laminação e selagem

Para selar a madeira, pré-saturar a madeira antes de aplicar filetes, e para laminar fibra de vidro sobre a madeira, usa-se a resina 2004 com o endurecedor  3154. A proporção é 2:1, duas partes de resina para uma de endurecedor. A combinação é bem fluida, ideal para laminar tecidos de baixa gramatura (até 110g). Para selar, deve-se aplicar várias demãos para evitar o escorrimento. A laminação de fibra, quando a superfície é bem preparada (sem irregularidades) dispensa rolinho tira-bolhas. Uma espátula é suficiente para espalhar a resina sobre a fibra e saturá-la.

Conclusão

A construção Stitch-and-glue oferece a possibilidade de construir barcos leves e eficientes de maneira rápida, com pouquíssimas ferramentas e em espaços reduzidos. Por isso é a técnica ideal para construtores artesanais fazerem seus barcos em casa. No curso de construção Stitch-and-glue construímos um pequeno bote de fundo chato (similar a um Optimist) em 2 dias. Este tempo inclui a marcação das peças e o corte, colagem inicial, filetagem, aplicação de fita de fibra nas emendas, e laminação externa do casco. Em mais dois dias é possível colar as quilhas, verdugo e peças internas. Assim, em uma semana você tem um barquinho pronto. Saiba mais sobre nosso curso aqui. E para adquirir resinas, fibras e outros materiais, visite a loja virtual da Redelease.

post similares
  • Começa a construção do GP-2... Recentemente escrevi um artigo no meu blog sobre o GP-28, uma lancha de uso geral para navegação em mar aberto. O projeto tem despertado algum interesse, e recentemente, Ricardo Lancelotti (do Estaleiro Oficina), entrou em contato comigo porque um amigo seu, Toni, queria construir um. Uma de suas dúvidas era sobre quem seria capaz de [...]
  • Curso de Construção de Barc... O curso de construção de barcos em stitch-and-glue chega ao Rio de Janeiro. Dos  dias 28 a 30 de julho teremos um curso em Niterói, e com novidades. Embora o programa seja similar ao dos outros cursos realizados, neste vamos construir um barco diferente, e os participantes receberão uma cópia do projeto! Um barco novo, [...]
  • Pequeno Príncipe 135 –... Uma das dúvidas de quem quer construir um veleiro é sobre mastros e ferragens. Uma “regra” divulgada sobre a construção artesanal é que as ferragens são metade do custo do barco. Isso seria verdade no caso de um veleiro convencional com mastro de alumínio de seção especial para mastros, com o trilho da vela, e [...]
  • Veleiro clássico: Projeto 8... Quem acompanha o site sabe que publiquei a alguns meses artigos sobre um projeto de veleiro inspirado nos clássicos dos anos 40,50, que deveria ser um barco pequeno, relativamente barato, veloz e marinheiro. Bom, por sugestão de algumas pessoas que entraram em contato comigo, resolvi colocar um teto no custo total do barco, e estabelecer [...]
  • Curso de São Paulo – ... O Curso de Construção de Barcos em São Paulo, que aconteceu num galpão da Vila Anhanguera, neste fim de semana (25 e 26 de março), foi um evento memorável, com uma turma diversificada e muito dedicada. Durante o curso, os participantes construíram um pequeno bote de apoio, praticando todas as etapas da construção de um [...]

Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta