Um novo projeto: veleiro clássico de 23 pés

Um novo projeto está na prancheta. Um veleiro pequeno, fácil de construir, de baixo custo, mas valente, capaz de enfrentar mar aberto e até travessias. O briefing dele pede as seguintes especificações:

  • comprimento total máximo de 23′;
  • menor custo possível;
  • capacidade de navegação oceânica;
  • facilidade de construção e operação;
  • boa capacidade de carga;
  • beliches para 2.

Em virtude de seu pequeno comprimento e baixo peso, a questão da estabilidade e segurança, em especial quando se navega em mar aberto, me levou a buscar nos veleiros clássicos a inspiração para este veleiro. Estreitos, com quilhas longas e pesadas, estes veleiros tem grande estabilidade de lastro, mas péssima estabilidade quando invertidos (com o mastro na água). Assim, a idéia não é evitar que ele vire (nenhum veleiro está livre disso, nem mesmo um catamaran),mas evitar que ele permaneça nesta situação por tempo  suficiente para que água demais entre no barco e o impeça de desvirar.

23-profile

Por este mesmo motivo veleiros antigos tem  limitações de espaço ocasionadas por sua boca estreita e borda baixa, que dão pouca liberdade na hora de montar o layout interno. Este veleiro tem um layout típico dos barcos clássicos como o Folkboat nórdico, que é uma de suas inspirações: uma bancada de cozinha na antepara principal, seguida de dois beliches, um em cada bordo, e após o mastro, um beliche em V. Pela altura na proa, este beliche é um quebra-galho ocasional, e serve na maior parte do tempo como local para guardar velas, cabos, e outros itens volumosos e leves. Sob ele se pode guardar âncoras, ao invés de um paiol de proa. Uma gaiúta sobre ele facilita o acesso pelo próprio deck.

 

No cockpit sobra espaço sob os bancos para armazenagem, inclusive de um motor de popa, opção mais segura e econômica para veleiros pequenos, menos pelo preço do motor do que pelo que se tem de custo, peso e trabalho para ter um motor inboard num barco pequeno. Além disso, sem motor e com um WC químico, o casco não tem nenhum furo, e isto é um item de segurança de grande valor (um número considerável de naufrágios ocorre com veleiros e lanchas ancorados, por causa de vazamentos nas mangueiras acopladas as diversas saídas de casco).

Um motor de 7hp é suficiente para este pequeno veleiro (até menos, mas 7 garante um extra para manobrar em dias de vento forte e contra correntes de maré). Uma característica dos veleiros antigos que gosto é que eles foram feitos para velejar, e não para ficar fazendo churrasco na praia. Por isso seus cockpits são amplos, e as cabines estreitas para permitir boa mobilidade da popa para a proa, ese as acomodações parecem ruins, é porque vão ser usadas apenas para dormir, já que ninguém fica na cabine de um veleiro pequeno durante o percurso.

O esboço apresenta o layout de um veleiro de 23 pés (7 metros), a bancada abriga uma caixa de gelo de um lado, e armário, fogão e eventualmente uma pia, do outro. No meio, serve como degrau de acesso, e sob ele podemos ter um porta-potty (wc químico). O topo da bancada também é uma ótima mesa de navegação, um item importante para tornar um veleiro mais seguro e marinheiro, embora subvalorizado com os chart-plotters e gps.

Quanto a armação, há opções, mas recomendo uma armação como a dos desenhos, carangueja, fácil e barata de fazer. Ela oferece algumas vantagens: centro de esforço mais baixo, que produz menor adernamento e também é melhor em ventos de popa, e o mastro curto tem mais chances de sair ileso de uma capotagem. Quem diz isso não sou eu, é John Vigor, especialista no assunto (leia mais aqui).

A construção será em stitch-and-glue, que oferece rapidez e facilidade para o construtor iniciante, e com o devido cuidado no projeto estrutural, resistência, segurança e durabilidade. Também permite fazer barcos fortes sem necessidade de madeiras raras e caras, cada vez mais indisponíveis. Este projeto está disponível para apadrinhamento, caso tenha interesse entre em contato.

post similares
  • GP 28 – galeria de fo... A construção do GP 28 está avançada. O casco está quase fechado. As últimas semanas foram de muito trabalho e muita emoção.  Toni e Ricardo estiveram aqui por uma semana, participando da construção e fazendo imagens para o filme da DGT. As fotos abaixo mostram de maneira sucinta tudo o que foi feito até agora, [...]
  • Começa a construção do GP-2... Recentemente escrevi um artigo no meu blog sobre o GP-28, uma lancha de uso geral para navegação em mar aberto. O projeto tem despertado algum interesse, e recentemente, Ricardo Lancelotti (do Estaleiro Oficina), entrou em contato comigo porque um amigo seu, Toni, queria construir um. Uma de suas dúvidas era sobre quem seria capaz de [...]
  • Curso de Construção de Barc... O curso de construção de barcos em stitch-and-glue chega ao Rio de Janeiro. Dos  dias 28 a 30 de julho teremos um curso em Niterói, e com novidades. Embora o programa seja similar ao dos outros cursos realizados, neste vamos construir um barco diferente, e os participantes receberão uma cópia do projeto! Um barco novo, [...]
  • Pequeno Príncipe 135 –... Uma das dúvidas de quem quer construir um veleiro é sobre mastros e ferragens. Uma “regra” divulgada sobre a construção artesanal é que as ferragens são metade do custo do barco. Isso seria verdade no caso de um veleiro convencional com mastro de alumínio de seção especial para mastros, com o trilho da vela, e [...]
  • Veleiro clássico: Projeto 8... Quem acompanha o site sabe que publiquei a alguns meses artigos sobre um projeto de veleiro inspirado nos clássicos dos anos 40,50, que deveria ser um barco pequeno, relativamente barato, veloz e marinheiro. Bom, por sugestão de algumas pessoas que entraram em contato comigo, resolvi colocar um teto no custo total do barco, e estabelecer [...]

2 Comentários

  1. junho 12, 2016    

    O desenho está ficando lindo, certamente será um barco marinheiro e seguro.

  2. Carlos Alberto Carlos Alberto
    outubro 2, 2016    

    O projeto do clássico 23 pés já esta pronto se tiver qual o preço

Deixe uma resposta