Veleiro clássico: Projeto 8K

Quem acompanha o site sabe que publiquei a alguns meses artigos sobre um projeto de veleiro inspirado nos clássicos dos anos 40,50, que deveria ser um barco pequeno, relativamente barato, veloz e marinheiro. Bom, por sugestão de algumas pessoas que entraram em contato comigo, resolvi colocar um teto no custo total do barco, e estabelecer alguns critérios delimitadores, que se transformaram no desafio 8K:

Em primeiro lugar, temos uma proposta de limite de orçamento – 8 mil reais. Como meta, quero que não chegue a nove, oito e meio é aceitável. Segundo, este valor é para um barco a vela pronto para ir para a água, mas não incluindo taxas de registro ou motor. Sobre o motor, em princípio deixaria a opção de montar um popa, mas um par de remos de voga é suficiente para manobrar o barco para fora da marina, e a vela faz o resto. Por ser um barco oceânico, não vai ficar navegando em canais, lagoas, represas e outros lugares engarrafados de barcos. Ele fica a vontade no mar aberto e com vento abundante. Os barcos projetados para o mar do norte, por exemplo, como o Folkboat e os Skerry Cruisers, apesar de rápidos e leves, velejam a todo pano com ventos de 25 nós ou mais, sem quebrar mastreação ou estruturas. Numa rajada, adernam e isso automaticamente reduz a área vélica efetiva e a pressão sobre a armação.

Então a ideia é ter um barco capaz de enfrentar vento forte com coragem, adernando mas sem perder o rumo ou o controle, inspirado no desenho de barcos clássicos como o Colin Archer Ketch, barcos capazes de navegar bem em qualquer situação.

Para ter um barco sólido e ao mesmo tempo barato, vamos ter que recorrer a fabricação, ou seja, armação, mastro, cunhos, etc, vão ser fabricados a partir de materiais acessíveis como madeira, cabos de aço galvanizado, e montados pelo construtor. Velas podem ser feitas com lona de algodão cru impermeabilizadas, a lonita. Fica com a cor da vela tradicional, muito bonita, e forte também, mesmo que não tanto quanto o dacron. Se você puder fazer a vela, melhor ainda (ao menos cortar e levar a uma costureira para montar sob suas instruções).

Em termos de acomodações internas, proponho eliminar divisórias. Por dois motivos: custo, pois uma divisória usa uma chapa de compensado e mais a resina epóxi para selar; e espaço. Pelo tamanho este barco precisará ser aberto para não ser claustrofóbico.
O que nos leva a questão das dimensões. Esqueça os barcos de 20 pés que você vê nas marinas. Veleiros de fibra modernos tem borda muito alta, muita boca (mais de 2,5m), o que tem duas consequências negativas: são caros, porque tem mais área de casco e portanto quantidade de material, e tem características negativas de estabilidade e orça. Um barco marinheiro pequeno deve ter pouca estabilidade inicial, para não balançar de uma lado para outro quando navegando com vento pela popa, e também para não adernar demais quando uma onda alta o pega pelo través (levando a uma capotagem), e muita estabilidade em elevados ângulos de inclinação. Para isso o barco deve ter boca estreita (2m mais ou menos), muito lastro, borda baixa (menor centro de gravidade,cabine e deck são pesos consideráveis), velas mais baixas (centro de esforço das velas mais baixo, ou seja, menor alavanca para o vento adernar o barco).

Além disso, o barco deve ter muita estabilidade dinâmica, que se consegue com deslocamento proporcionalmente alto (encha ele de água e equipamento), quilha de patilhão (freia o rolamento do barco em torno do eixo longitudinal), e mastreação pesada (maior inércia, freando acelerações bruscas provocadas por rajadas ou ondas grandes).
Como se vê, quase todos os veleiros pequenos que você conhece estão longe de ser marinheiros, e por isso todo velejador se pela de medo quanto o tempo vira. E daí as muitas histórias de mastro quebrado, etc.

O barco que estou enviando ainda tem características que eu reformularia para chegar a uma marinharia adequada e custo baixo. Mas o layout é esse aí. Popa de canoa (duas proas, como os Colin Archer) para diminuir a flutuação da popa (ondas grandes batendo numa popa larga e flutuante podem fazer a proa enterrar na água quando surfando, levando a capotagem), e para que ondas quebrando na popa sejam cortadas por ela ao invés de bater sobre um espelho plano. Quilha de popa a proa, com lastro de cimento para reduzir custo. Terá que ser um lastro volumosos pois a densidade é baixa, mas é uma penalidade a pagar por conta dos objetivos do projeto. O calado ficará em torno de 1m para que o lastro seja grande o suficiente.

Além disso, penso num layout versátil, com uma cozinha próxima a gaiúta (penso numa escotilha estanque ao invés de uma gaiúta convencional, para selar a cabine mesmo, como nos Open 40 e similares, feita em madeira mesmo), porta-potty ao invés de vaso sanitário convencional, para não ter nenhum furo no casco. 90%dos veleiros que afundam o fazem no cais, em geral por falha de uma válvula ou mangueira de refrigeração do motor, vaso sanitário ou dreno do cockpit, dados de empresas de seguro dos EUA).

Dois beliches grandes (2m de comprimento, 60cm de largura) servem de sofás durante o dia. Porém, podem ser unidos rebaixando a mesa ou com caibros guardados embaixo deles, e almofadas apropriadas, criando uma enorme cama de casal. As camas teriam 60cm de largura em toda a extensão, sem espremer os pés naquele v ridículo dos beliches de proa de veleiros convencionais.

Na proa, velas e toda a tralha de navegação, inclusive âncoras, que você alcança do deck através de uma gaiúta. Além disso, âncora embaixo reduz o caturro (menos peso na proa). Quanto a âncora, tenho uma idéia (que não é minha, é dos navegadores chineses do século XVI) que vou compartilhar com vocês mais tarde, só digo que você vai construí-la em casa por muito pouco dinheiro, e ela funciona bem em praticamente qualquer fundo…

Bom, aguardo seus comentários. Se você quiser participar deste projeto de forma efetiva, pode apadrinhá-lo, comprando o projeto antecipadamente, e fazendo parte da equipe de projeto. Juntos construiremos o briefing e definiremos todas as características do barco, bem como opções de plano vélico, layout interno, etc. Padrinhos do projeto terão acesso a todo o projeto depois de pronto, e ainda poderão solicitar a personalização de plano vélico e layout interno.

post similares
  • Começa a construção do GP-2... Recentemente escrevi um artigo no meu blog sobre o GP-28, uma lancha de uso geral para navegação em mar aberto. O projeto tem despertado algum interesse, e recentemente, Ricardo Lancelotti (do Estaleiro Oficina), entrou em contato comigo porque um amigo seu, Toni, queria construir um. Uma de suas dúvidas era sobre quem seria capaz de [...]
  • Curso de Construção de Barc... O curso de construção de barcos em stitch-and-glue chega ao Rio de Janeiro. Dos  dias 28 a 30 de julho teremos um curso em Niterói, e com novidades. Embora o programa seja similar ao dos outros cursos realizados, neste vamos construir um barco diferente, e os participantes receberão uma cópia do projeto! Um barco novo, [...]
  • Pequeno Príncipe 135 –... Uma das dúvidas de quem quer construir um veleiro é sobre mastros e ferragens. Uma “regra” divulgada sobre a construção artesanal é que as ferragens são metade do custo do barco. Isso seria verdade no caso de um veleiro convencional com mastro de alumínio de seção especial para mastros, com o trilho da vela, e [...]
  • Curso de São Paulo – ... O Curso de Construção de Barcos em São Paulo, que aconteceu num galpão da Vila Anhanguera, neste fim de semana (25 e 26 de março), foi um evento memorável, com uma turma diversificada e muito dedicada. Durante o curso, os participantes construíram um pequeno bote de apoio, praticando todas as etapas da construção de um [...]
  • Curso de S&G em São Pa... Novo Curso de Stitch-and-Glue em São Paulo! apoio: Agora quem mora na região da Grande São Paulo vai poder fazer o curso de construção de barcos em Stitch-and-Glue (costure-e-cole). Nos dias 24 e 25 de março (sábado e domingo) faremos um curso em São Paulo (capital). Interessados podem se cadastrar no formulário ao final da [...]

Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta